Ser-aqui parte II


No instante

Em que cheguei aqui

Eu vi o caminho

O caminho me viu

Eu me vi no caminho

O caminho se viu em mim


O caminho se apresentou:


Eu sou o caminho

Não sou a verdade

Mas faço a vida acontecer

Sou aquele que é

E sempre será


Aquele que estando no fim

É encontrado no começo

Mas vive no meio

Do cruzamento


Aquele por onde todos passam

Mas, ele mesmo não passa

Porque sempre está

Presente

Sou a contradição

O duplo sentido

A direção


O caminho se apresentou.

Apesar dos múltiplos sentidos

Das diversas direções

Eu não tive escolha

Não havia como ignorar o caminho


Ele disse:

Eu sou o Caminho

Não sou a verdade

Mas, sem mim não há vida

Não há movimento

No instante seguinte

(medida do tempo presente)

O Sereno desceu sobre mim

Semente

Tomou todo o meu corpo

Ele me tomou, Eu o absorvi

Somos uma só realidade


O caminho faz isso

Me leva a ser composição


Saí para caçar coisas para comer

O caminho me conduziu ao centro da terra

A terra me compôs.

Aprendi com a terra

A respirar e respeitar

Eu compus a terra

Eu e a terra somos um



Encontrei as águas no caminho

Bebi e banhei meu corpo

Lavei por dentro e por fora

Aprendi a língua das águas

Elas me amaram, eu as amei

Com elas me compus


O caminho me leva a ser composição


As águas me fizeram

Raiz, caule, folhas, flores, frutos


Agora

(medida do tempo presente)

Sinto o paladar suave dos ventos coloridos

O perfume da natureza está em mim

Sinto a grande mãe

Que é pai de todos e clamo:


Mãe, tenho fome!


Olùkọ́ Bàbá Ọ̀nà

33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo